FacebookPixel
Notícias
A companhia perfeita para o seu café
Notícias
voltar \ Comprar ou arrendar casa? 77% dos portugueses são proprietários

Comprar ou arrendar casa? 77% dos portugueses são proprietários

07 jan 2022
Olhando para a última década, 2020 foi mesmo o ano em que houve mais proprietários de habitações em Portugal, segundo o Eurostat. Fonte: Idealista News

Escolher onde e como viver não é tarefa fácil. Comprar casa pode ser um processo demorado e quando envolve crédito habitação é preciso reunir muita documentação e ter poupanças para financiar, pelo menos, parte da casa. Trata-se mesmo de um compromisso a lonzo prazo. Já arrendar casa pode ser bem mais simples em termos contratuais e traz mais liberdade à mobilidade. E qual destes cenários preferem os portugueses? Os dados mais recentes do Eurostat não deixam margem para dúvidas: a esmagadora maioria - cerca de 77,3% - disse ser proprietário de uma habitação em 2020, enquanto 22,7% afirmaram estar a arrendar uma casa. E olhando para a última década, 2020 foi mesmo o ano em que houve mais proprietários em território nacional, embora tenha sido, também, profundamente marcado pelo choque da pandemia.
 

Comprar casa é a opção da maioria dos portugueses, mostram os dados do gabinete de estatística europeu publicados no final de dezembro. E é assim desde, pelo menos, 2003. De lá para cá, mais de 74% dos portugueses disseram ser proprietários de uma habitação. A evolução ao longo do tempo não foi linear. Mas salta à vista que 2020 - quando a pandemia caiu como uma bomba nas nossas vidas - foi mesmo o ano em que houve a maior percentagem (77,3%) de proprietários desde que há dados contabilizados pelo Eurostat. Face a 2019, este valor subiu 3,4 pontos percentuais (p.p.) – registando a maior subida de toda a União Europeia (UE). Recuando até 2010, a diferença é de +2,4 p.p.
 

E o que poderá estar por detrás desta escolha? As condições foram reunidas para que comprar casa se tornasse uma opção real para muitas famílias durante a pandemia. Desde logo, as medidas de combate ao desemprego desenhadas pelo Governo ajudaram a minimizar os efeitos da crise nos orçamentos familiares. As restrições impostas à circulação fizeram o consumo diminuir e as poupanças das famílias engordar, de tal forma que atingiram níveis históricos em julho de 2021, mês em que os depósitos dos particulares somaram 169.910 milhões de euros, segundo os dados do Banco de Portugal.
 

O tempo passado em casa levou as famílias a valorizar os espaços onde vivem, sobretudo os jardins e varandas, o que levou ao aumento da procura por casas mais espaçosas e com espaços exteriores, apontou o Fundo Monetário Internacional recentemente. E comprar casa recorrendo ao crédito habitação tornou-se também mais apetecível. Isto porque as taxas de juros implícitas nos contratos de crédito habitação desceram na segunda metade de 2020 e assim continuaram até setembro de 2021, altura em que atingiram o mínimo histórico de 0,785%, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).
 

O que ter em conta para comprar casa
Foto de Anthony Shkraba en Pexels
 

Quanto custa comprar ou arrendar casa em Portugal?

Este cenário convidou muitas famílias a comprar casa na pandemia. Mas todas depararam-se com uma realidade: há falta de casas em Portugal para tamanha procura. E é este desequilíbrio um dos principais responsáveis pelo aumento dos preços das casas, que estão mesmo em alta e em risco de bolha de preços, segundo apontou o Eurostat.
 

Os números do INE mostram esta realidade. A chegada da pandemia fez a evolução da subida dos preços das casas abrandar – caiu de 10,3% no primeiro trimestre de 2020 para 7,8% no segundo trimestre. E chegou a cair ainda mais nos primeiros seis meses de 2021. A verdade é que os dados mais recentes mostram uma aceleração do crescimento entre julho e setembro.
 


 

Embora não seja a opção preferida dos portugueses, arrendar casa também ficou mais caro durante a pandemia. Nos primeiros três meses de 2020, a renda mediana a nível nacional estava nos 5,5 euros por metro quadrado (euros/m2). E no final do ano estava 0,27 euros/m2 mais cara. A tendência manteve-se em 2021, tendo atingido os 6,08 euros/m2 no terceiro trimestre, segundo os dados provisórios do INE.
 


 

Comprar ou arrendar casa nos países da UE

mapa da europa mostra-nos que comprar casa é mesmo a opção de sete em cada 10 europeus. E analisando os dados nos 27 países da UE salta à vista que, pelo menos, 50% da população é proprietária em todos os países – à exceção da Itália que não tem dados disponíveis.
 

Mesmo assim, há variações significativas. Na Roménia, viver numa casa própria é a escolha de 96,1% da população. Já arrendar uma casa é opção só para 3,9% das famílias. Este é mesmo o país onde há mais proprietários de toda a UE. Além da Roménia, só há mais três países do espaço europeu onde os proprietários de habitação representam mais de 90%: Eslováquia, Croácia e Hungria.
 

No fundo da tabela está a Alemanha, onde cerca de 50,4% das pessoas são proprietárias de casas. Os outros 49,6% escolheram viver numa casa arrendada. E a verdade é que há cada vez menos famílias a quererem comprar casa no país. Entre 2019 e 2020, a percentagem de proprietários desceu 0,7 pontos percentuais (p.p). E desde 2010 caiu 2,8 p.p.
 


 

Esta é mesmo uma tendência verificada em vários países da Europa na última década. Face a 2010, a percentagem de proprietários de casas desceu em 17 dos 27 Estados-membros. A descida mais acentuada foi mesmo registada na Dinamarca, que passou de 66,6% em 2010 para 59,3% em 2020 – isto é, -7,3 p.p. Esta tendência foi verificada também na Lituânia (- 5 p.p.), Espanha (-4,7 p.p) e Chipre (-4,5 p.p.).
 

O que também é visível é que entre 2019 e 2020 – antes e depois da pandemia – há menos países onde se registou uma diminuição dos proprietários de casas: são apenas 13 dos 27.
 

Arrendar casa em Portugal
Foto de cottonbro en Pexels
Veja Também
Estamos disponíveis para o ajudar Pretendo ser contactado
Data
Hora
Nome  
   
Contacto
 
Mensagem